sábado, 31 de dezembro de 2016

Morrer na operação [3] - Nem o pai morre nem a gente almoça

Ouvi há momentos na telefonia que o balanço provisório da operação "Festas Seguras" regista [sic] até ao momento quatro mortos. Mal é que até depois de amanhã o resultado não melhore. *
Eles aí estão, sem parança nem sossego, em prol da nossa felicidade. Proactiva. Vejamos:

Entretanto, decidiu-se refrear o noticiário acerca dos parâmetros de um ancião em coma profundo. José Barata, porta-voz, hoje: «só voltará a ser feita nova informação clínica quando houver uma alteração do estado de saúde...».
Parece-me bem. 17 anos de boletins clínicos estavam a deixar o país à beira da exaustão. Nem a paciência dum eremita beneditino aguentaria mais.
___________________________________
ora! Última hora! Última hora! Última hora! Última hora! Última hora! Última h
* [04.Jan.2016]
Melhorou e não pouco: dezanove.
Morrer na operação, nada de novo; se calhar é do balanço, sei lá. Escusavam era de tanta propaganda.

Acordo Ortográfico [118]

A nova ignorância e a inércia.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

O reflexo fajuto de Ricardo Araújo Pereira

Uma das traduções mais respeitadas em português europeu, a católica "Bíblia dos Capuchinhos", como é conhecida, dá-nos assim, negrito meu, o 2.º versículo do capítulo 17.º do Apocalipse:
Com ela se prostituíram os reis da terra, e os habitantes do mundo embriagaram-se com o vinho da sua prostituição. - Ap, 17.2  *

«[…] Os habitantes da Terra se embriagaram com o vinho da fornicação, diz a Bíblia […]»

Ficamos, pois, a saber que o doutor Araújo Pereira, lídimo e atento praticante da gramática, se guia por uma Bíblia brasileira.
Aposto em que nem a ele a frase que transcreveu, se a proferir em voz alta, soa a correcto português de cá.
_____________________________________
* Anseio pelo Apocalipse de Frederico Lourenço, no volume II.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Guterres, por Baptista-Bastos

«António Guterres foi oficialmente confirmado como secretário-geral das Nações Unidas. Cristiano Ronaldo conquistou, pela quarta vez, a Bola de Ouro. Dois importantes acontecimentos que premeiam a qualidade excepcional de dois portugueses obstinados em escapar à trilha imposta pelas circunstâncias dominantes e colocar-se no plano em que estão algumas das grandes figuras que marcaram os destinos comuns.
[...] Sou daqueles para quem as vitórias dos que conheço ou prezo constituem alentos pessoais. Tenho passado a vida nisto: a bem-dizer os que, pelas virtudes próprias ou pelos méritos pessoais, amarinharam pelas rudes escadas que lhes eram apresentadas.
[...] Segui, à distância, a desenvolta carreira do homem. E acho que ele merece o que conquistou. Nunca fez ondas demasiado altas, e, de palavra, foi sempre cuidadoso e prudente, movendo-se com destreza e extrema habilidade. Que Deus Nosso Senhor o proteja e continue a iluminá-lo.»
- x -
«[...] Está-lhe no sangue este tipo de indecisões e evasivas.
[...] Deu provas suficientes de ser um espírito hesitante, temeroso, com escassa coragem para enfrentar contrariedades, as mais minguadas, e sempre predisposto a escapulir-se, sem pudor nem dignidade, como o fez quando se demitiu do Governo. Conheço o homem há anos, das conspirações no gabinete de Soares Louro, na Cinevoz.
[...] fez-se à vidinha e andou por aí, com o rosto compungido, a fazer ninguém sabe o quê, diz que a favor dos expatriados.
[...] António Guterres detesta problemas. Deseja é mel e leite e o exercício de funções pacíficas, bem remuneradas e sem atritos de maior. [...]»
"O candidato que não é" | Correio da Manhã, 15.Abr.2015
- x - 
«[...] É um burocrata sempre cheio de medo, que possui do socialismo um conceito difuso de água-benta. [...]»
- x -
«[...] À menor contrariedade foge espavorido, como se viu quando perdeu as eleições municipais, e refugiou-se num chamado Alto Comissariado para os... Refugiados.
[...] Guterres está longe de ser o homem que o momento exige. Carece de carácter, é um espírito flébil, pouco consistente e indeciso. 
[...] demonstrou ser ressentido, rancoroso e vingativo, quando saneou Vasco Graça Moura das funções de comissário para as Comemorações dos Descobrimentos, porque o escritor criticava, publicamente, a política do Governo.
[...] acabei por votar nele, fui enganado, fiz o que tinha a fazer, não oculto um certo desdém que por ele embalo, e não encontro nenhuma virtude que o recomende à Presidência. [...]»
- x - 

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Rapto

Roma, sábado, 24 de Dezembro de 2016, 23h07 [hora local].
pega, segura e leva

Sinais particulares: fralda.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Mafalda mal, Mafalda bem

«[…] Vivemos a maior catástrofe humanitária desde a Segunda Guerra Mundial e Guterres conhece os números melhor do que ninguém: há mais de 13 milhões de sírios a necessitar de ajuda humanitária, cinco milhões dos quais refugiados fora do país. […]»

Este pedigree faria esperar outro atino linguístico da senhora directora. 
_________________________________
Ciberdúvidas, por exemplo aqui.
Helder Guégués, por exemplo aqui.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Saramago, Fidel e outros mortos

A reboque dos festejos diluvianos da morte* de um déspota barbudo, a RTP exibiu há dias — RTP 3, domingo, 04.Dez.2016 — "Cuba segundo Saramago", reportagem esmerada de Alberto Serra sobre a visita, em Dezembro de 1998/Janeiro de 1999, que o nosso escritor, ungido quatro semanas antes com o Nobel da Literatura, fez a Cuba quando ali se comemorava o 40.º aniversário da destituição de um ditador barbeado. Na comitiva, o lendário companheiro Vasco de que matei saudades.
O que me traz aqui é o momento, na conferência à imprensa estrangeira em Havana, em que um jornalista interpela e apoquenta Saramago com alegadas afirmações suas de reconhecimento de determinadas patifarias do regime castrista. Saramago procura limpar-se vituperando a manipulação e descontextualização do que teria dito um mês antes à TSF**, e alega: «há um ou dois anos, numa esquadra da polícia em Portugal, um sargento, ou cabo ou lá o que era, decapitou um homem (…) Se a imprensa internacional fizesse eco desse caso, facilmente se daria de Portugal uma imagem terrível: "Aqui decapitam as pessoas!"» 

Sacavém, Portugal, Maio de 1996. Que o Correio da Manhã ponha no título "GNR que decapitou suspeito" pouco espanta já que isso é idiossincrático da gazeta de Paulo Fernandes. Agora que o insigne José Saramago, antigo e graduado jornalista, tenha vendido ao mundo uma decapitação de cadáver por uma decapitação de pessoa à moda do DAESH parece-me contrafacção dolosa e insuportável dos factos por parte de quem a par do nobelizado talento convinha que mostrasse algum asseio público.
É certo que quatro anos depois haveria de pronunciar-se publicamente acerca de Cuba com outro discernimento e putativa honestidade. Convenhamos que em Abril de 2003 José Saramago, nascido em Novembro de 1922, ia em idade mais do que razoável para tal clarividência, coisa que, por exemplo e ao invés, é prematuro reconhecer por enquanto no jovem camarada Jerónimo, nascido em Abril de 1947, que em Almada, aos 2 de Dezembro de 2016, com as cinzas do ditador a cirandar pelas estradas caribenhas, proclamou Cuba, sem se rir, a Ilha da Liberdade.***
________________________________________
* A partir dos 90 morre-se muito.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Fruta tropical, bacalhau à Brás e psiquiatra. Antropologia a 250 à hora.

«[...]
O espaço foi, ao longo dos anos, frequentado por políticos, magistrados, jogadores da bola, árbitros, actores, jornalistas, médicos, polícias, empresários e diplomatas.
[...]»

E padres, não? E alfaiates?
Joana Marques Alves é um doce de jornalista.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Desastre no conjuntivo. Com paixão.

«Os nossos telespectadores há uma coisa que gostam: gostam muito de futebol e gostam que nós estejemos apaixonadamente a discutir os lances...»

Não lhe faltam émulos:
______________________


segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Acordo Ortográfico [117]

«[...]
Nuno Pacheco- E quanto ao chamado acordo ortográfico?
Artur Anselmo- É um problema científico. Por mais que nós possamos negociar com forças políticas, sociais, sindicais, na base está a ciência. Isto é uma Academia das Ciências! No dia em que aceitarmos de olhos fechados situações que ferem a nossa inteligência, o senso comum e a tradição científica, não estamos a cumprir as nossas obrigações.
Vemos que cada vez mais textos oficiais e oficiosos, como por exemplo os dos museus, estão escritos numa ortografia mista, num absoluto caos…
Eu acrescento os boletins camarários e as legendas dos cinemas. O último boletim da Câmara de Viana fala em concessão de uma estrada mas escreve com ç cedilhado. É uma trapalhada. E o corrector não marca erro porque não faz interpretação semântica!
[...]
Nuno Pacheco- Em termos concretos, o que é que está a ser feito neste momento na Academia?
Artur Anselmo- Nós vamos agora publicar em Janeiro os Subsídios para o Aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico. Estão prontos, foram feitos por uma equipa dirigida pela Ana Salgado, na última reunião já tiveram um acordo de princípio, agora vão ao plenário de efectivos. É uma contribuição, neste momento a Academia não pode fazer mais do que isto. Temos de agir com prudência, mas sem abandonar o critério científico.
[...]»

domingo, 11 de dezembro de 2016

Um vir-se contínuo

Hiromi Hueara - Take me away.
Ré menor na floresta.

Seis equívocos em torno da Europa, e o endividualismo

Manuel Maria Carrilho reage em grande, no Público de ontem — "Os equívocos de Sampaio, e não só!..." —, ao verboso ensaio* de Jorge Sampaio [ai o rimário!] no Público de 14.Nov.2016, "A nova Europa dividida num contexto internacional de incertezas. E nós?"
  1. «O projecto europeu está, desde 2010, em decomposição.»
  2. «A globalização não foi um processo contra a Europa mas, em grande parte, uma obra da própria Europa.»
  3. «O crescimento acabou.»
  4. «Estamos a entrar numa era em que há cada vez mais política fora da democracia.»
  5. «A invocação do populismo traduz hoje, sobretudo, medo do povo.»
  6. «A esquerda acabou.»
Ainda,
«[...] O endividualismo é um novo tipo de individualismo, um “individualismo de massas” [...] o endividualismo sinaliza uma nova era, a do jubilatório apogeu do indivíduo que se realiza pelo crédito, isto é, pela dívida. [...]»

Espera-se a todo o momento o ponto de vista de Bárbara Guimarães.
________________________________
* Estreia em data a anunciar.

«Muito insatisfeito / Muito satisfeito»

O que achou desta notícia?

domingo, 4 de dezembro de 2016

Camarate, Medellín, Toledo ... e a inequivocidade das coisas

Nada de precipitações.
Encomendem a investigação ao parlamento português* e descobrir-se-á quantas bombas a bordo, quantos Farinhas Simões, Josés Esteves e Sinans Rodrigues mancomunados atrás dos arbustos.
Requeiram uma peritagem a Helena Roseta e ver-se-á como luzem os contornos da conspiração.
No caso de hoje, em Toledo, ninguém, talvez, como Clara Ferreira Alves, especialista em aviação, para nos explicar porque caem certas aeronaves mais do que outras.
_____________________________________    
* «[...] dá-se por concluído e provado de forma inequívoca, na senda das últimas Comissões, que se tratou de um atentado. [...]»
X Comissão Parlamentar de Inquérito à Tragédia de Camarate
Relatório Final, página 62 de 1555 (!) - Aprovado com abstenção do PCP - 23.Jun.2015

provado de forma inequívoca  -  Ah valentes!

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Entedia-me

que compreendam tudo o que digo.
Se não compreendem, fico deprimido.

domingo, 27 de novembro de 2016

Actualidades

.  Fidel Castro, 13.Ago.1926-25.Nov.2016
[Figuras que marcaram o século XX - Expresso n.º 1000, 28.Dez.1991; poster de António]

.  Cova da Iria, 13.Mai.1917-13.Mai.2017. Vem aí pornografia pesada. A cronometragem do negócio mal começou.
[Reclame publicado no caderno Especial Natal 2016 – Expresso, 26.Nov.2016]

Poucos conseguiriam, como Ferreira Fernandes, urdir tão estupendo texto sobre ocorrência de tão poucas horas antes.
«[...]
Os meus colegas olharam para mim, pasmados: "Mas qual RGIC?!", disse um que frequenta os Passos Perdido.
[...]»
Até na gralha do singular Perdido FF operou, porventura sem querer, um trocadilho delicioso.

.  Domingues e feriados:
27 de Novembro / 01 de Dezembro / 08 de Dezembro

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

domingo, 30 de outubro de 2016

Músicos portugueses

«[...]
A este exterior mais à mão os músicos, como todos os seus primos romancistas e professores, chamam ‘mundo.’
[...]»

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Acordo Ortográfico [116]

«[...]
Na verdade, a regra da fonética é pura tolice, como facilmente se comprovará.
[...]
vão para o diabo mais as normas de um acordo que não unifica (há mais palavras diferentes agora do que havia antes), não padroniza, não simplifica, não melhora nem torna mais “internacionalizável” a língua portuguesa. Alguns já perceberam a fraude há muito tempo, outros têm vindo a percebê-la com o passar dos meses e dos anos. Falta apenas uma coisa: coragem para acabar com isto.»

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Medida certa

O doutor filósofo professor, por tal sinal mui culto e simpático, Viriato Soromenho Marques informa, a respeito do aparelho-zingarelho Schiaparelli [pronunciar skiàpàrèli, que o italiano é lindo e merece respeito da glote*] que se esbardalhou há dias em Marte: «O espaço exterior tem distâncias astronómicas».

Fui medir. Tem. Pelo menos, a da Terra a Marte é; a fita-métrica não me deu para mais astros.
__________________________________________
* Dói ou não dói ouvir, por exemplo, o bom do Júlio Isidro dizer solitudine [solidão] a rimar com ovomaltine? Claro que dói.
Diga-me, bondoso leitor, se não é linda a palavra solitudine...

«[...]
Estas coisas têm de acontecer amanhã já, porque há gente com fome, a verdade é essa. Mas pelo andar das coisas, pode demorar séculos.»
Cruzeiro Seixas [03.Dez.1920 — * ], à conversa com Bruno Horta | Observador, 23.Out.2016
____________________________
* Ainda agarrado ao hífen.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Fados e guterradas

De quem vai render um sul-coreano imune espera-se que tenha todas as vacinas em dia. 

Próximos passos:
- Dom Manuel a Papa. Pela ordem natural das coisas, será Clemente XV.
- Dona Maria a santa. Quando partiu já ia beatificada.

Desígnios do Quinto Império?...
______________________________________

Acordo Ortográfico [115]

«[…]
É tempo de acabarmos com o amontoado de arbitrariedades a que se convencionou chamar “Acordo Ortográfico”, poço sem fundo de facultatividades que desmontam a própria noção de ortografia.
[…]»

- x - 
«[…]
A questão da língua deveria, essa sim, ser considerada um “assunto de superior interesse nacional”, palavrosidade que tanto enche a boca de políticos e doutores, mas pela qual políticos e doutores tão pouco têm zelado. Não é por teimosia ou conservadorismo que há, felizmente, quem insista na insalubridade do “acordo” e na urgência de revertê-lo enquanto ainda é possível erradicar a moléstia. Porque ele é cientificamente mau, socialmente inútil e culturalmente nefasto. Não se trata de uma opinião, mas de factos, evidenciados pelos numerosos escritos e pareceres de reputados cientistas da língua, em Portugal e no Brasil. E não é coisa que passe com o tempo, como uma vulgar dor de cabeça. O que ficar disto será para sempre. Os efeitos, aliás, já se estão a sentir um pouco por toda a parte: nas escolas, nas empresas, nas instituições ou nos jornais, multiplicam-se as evidências de que o AO falhou em tudo e só complicou ainda mais aquilo que se propunha simplificar.
[...]
Os agentes políticos* de que falo são, na realidade, quase todos, independentemente do lugar que ocupam, quer sejam ou tenham sido ou queiram vir a ser governo ou oposição. A leviandade com que a grande maioria deles olhou para este assunto é, aliás, reveladora da incultura geral que se espalhou pelos aparelhos partidários.
[…]»

Reflicta-se, a propósito, neste recente despautério esquizofrénico-laticínio-lacticínico ou lá que é:

Por estas e outras, continuo a preferir Matinal. Seleccionado como convém. Longa vida aos úberes de que jorra!
___________________________________________
* Filhos de uma grandíssima e alternadíssima [preencher a gosto].

domingo, 2 de outubro de 2016

Jornalismo de referência

«George de 3 anos chegou de camisola azul, calções bordeaux e meias até ao joelho, de mão dada com o pai. Já Charlotte, de 16 meses, vinha ao colo da mãe de casaco azul a combinar com o vestido.»

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Onde está o problema?

«[...]
O século XVIII foi a grande oportunidade, para Espanha e Portugal, de se modernizarem, mas optaram por permanecer nas trevas. Nós combatemos os franceses, que traziam a luz e as ideias. Combatemos do lado errado. Tenho um grande rancor histórico contra a Igreja, porque creio que é culpada do atraso de Portugal, Espanha e Itália em relação ao Norte.
[...]
Estamos a criar gerações de jovens que carecem de mecanismos culturais e históricos que lhes permitam saber quem são. Estamos a criar órfãos culturais. Todo o sistema educativo europeu está feito para esmagar a inteligência. Para igualá-la à mediocridade.
[...]
Hoje há uma guerra de civilizações, uma guerra social entre o Islão e o Ocidente. Porque o Islão é incompatível com a democracia.
[...]
Houve uma grande e sangrenta luta para nos livrarmos das grilhetas que a Igreja Católica nos impôs. No Islão não houve essa guerra. E nós não podemos agora renunciar a séculos de luta pelas liberdades e direitos. Para que a minha filha possa usar minissaia na rua, ou o teu filho possa dizer ‘Me cago em Deus’, sem que o executem como blasfemo. Custou-nos muitos séculos de sofrimento, de guerras e de mortos. Mas eles não o fizeram.
[...]
o Islão deixou-nos coisas, tanto no sangue como na cultura, depois de muitos séculos. Mas essa herança islâmica evoluiu connosco. Tal como a herança cristã também evoluiu.
[...]
É compatível com a democracia que, por exemplo, uma mulher não possa ser tratada por um médico homem? Não, o Islão não vai mudar, e é incompatível com a democracia.
[...]
Já estamos a ter uma guerra de civilizações. Com uma diferença importante: é que desta vez vamos perdê-la.
- Porquê?
Porque o Ocidente é débil, medíocre, cobarde. Tenta ser politicamente correcto, é velho, gordo, acomodado, cheio de tecnologia. Enquanto o Islão tem fome, tem rancor, tem ódio, tem juventude, tem tomates. Não tem nada a perder, e tem muito a ganhar. Por isso vamos perder a guerra. Mas não merecemos ganhar.
[...]
eu estava no Irão quando chegou Khomeini, e vi os mesmos jovens gritarem ‘Liberdade, liberdade’. Esses jovens estão agora todos cheios de barbas e de medo, não se atrevem a falar em voz alta. As Primaveras árabes também foram apropriadas pelos “khomeinis”.
[...]
escrevo porque me dá prazer. Escrevo para recordar as minhas viagens, os amigos, as mulheres que fodi. 
[...]
quando um filho da puta que não fez mais nada do que beber copos num bar se atreve a escrever 500 páginas sobre a sua interessante personalidade, vá apanhar no cu!
[...]
Um escritor português, por exemplo, tem de conhecer, primeiro, Grécia e Roma, porque é de onde vem tudo. Depois, a literatura portuguesa dos séculos XVI e XVII, Camões, etc., quando se forma a língua. E a literatura europeia do século XIX, Tolstoi, Dostoievski, Eça de Queirós, Galdós. E tem de ler Thomas Mann, Conrad, Faulkner, Kundera. Não leu nenhum desses, mas conhece Foster Wallace e Houellebecq? Então é um filho da puta, não pode ser escritor. E pensa que descobriu coisas que existem desde os gregos.
[...]
Esses filhos da puta que estão a chegar a Lisboa de calções e chinelos, e que estão a foder a cidade de forma irremediável… Eu vim há muito tempo a Lisboa porque li Pessoa, Camões e Eça de Queirós. Vim para encontrar a realidade que amava nos livros. Esses turistas filhos da puta nem sabem quem foi Pessoa. Vão à Brasileira para fazer uma foto com ele, e não sabem quem ele é, nem nunca saberão na puta da sua vida. Eu preocupo-me com isso porque eles estão a foder-me a mim, ao foderem a minha Lisboa. Não escrevo para que o mundo seja melhor. Eu escrevo romances em legítima defesa.
[...]»
__________________________________
A propósito,
«o problema está no Islão, o problema é o Islão»

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Prognóstico reservado

Resgatado dos escombros com braço fracturado, ferimento no peito, escoriação na testa. Apesar do prognóstico, há-de safar-se.
Deu ontem na SIC.

domingo, 28 de agosto de 2016

Errata

___________________________________
Quem descobriu o erro foi a minha sobrinha.
Parabéns e obrigado, Mariana.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Muito obrigado, Luís Lopes.

De novo, o melhor português nas olimpíadas.
______________________________
Quem é Luís Lopes?

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Acordo Ortográfico [113]

«1. Alguma vez um anti-acordista disse sobre o Acordo Ortográfico de 1990 qualquer coisa boa, mesmo boa? Pois aqui vai uma magnífica. O AO90, ao qual se deseja uma rápida e humana morte, terá deixado um precedente deveras valioso. Pela primeira vez no nosso secular debate ortográfico, a Pronúncia é feita critério decisivo da grafia, assim destronando a Etimologia do topo do pódio, invertendo beneficamente a hierarquia. Mas foi mais sorte que esperteza, já que nunca os autores e promotores do Acordo reivindicaram o cometimento. Só que, no momento de ser aplicada a Portugal essa sã primazia da Pronúncia, as coisas correram mal. Já lá iremos.
[…]»

terça-feira, 26 de julho de 2016

«Garry Marshall realizou mais de 18 filmes.»

Os deuses sabem da minha admiração por Diogo Vaz Pinto — ver, por exemplo, "Cadernos do Subterrâneo", ou isto — e quanto aprecio o rigor das coisas.
Nem por isso deixo de achar que, desta vez, DVP abusou na exactidão.
Estaria capaz de apostar em que Garry Marshall realizou exactamente menos de 20 filmes. Ou, sendo rigoroso, cerca de 19.

Agora ria-se aí com "As afinidades electivas" de Miguel Tamen.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

E a vírgula, caralho?

Obrigado, Portugal.  —  Parabéns, Portugal., s.f.f..
Quem ensinou esta gente a escrever, foda-se?
Levar a tribunal a Federação, o Novo Banco, o BPI e o Lidl seria pouco.
Olá, Maria.
Adeus, amor.

Acordo Ortográfico [112]

«Carta aberta ao Presidente da República:
o acordo ortográfico do nosso descontentamento»

sábado, 25 de junho de 2016

Deus existe

Não há desemprego na Teologia.
Expresso, 25.Jun.2016

ora! Última hora! Última hora! Última hora! Última hora! Última h

domingo, 19 de junho de 2016

Presidente falta às marchas

Onde pára o Marcelo que vai a todas, que o não vi ontem na marcha do Nogueira nem na marcha do orgulho?
Nem uma mensagem de solidariedade ou de afecto se dignou enviar. Arlequim cansado? Este presidente sabe-a toda...

Mariana Mortágua, deputada da nação:
«Deixa passar! Porque eu sou fufa e o mundo eu vou mudar.»
Nada de novo quanto à doutora Mariana. Quanto ao mundo mudável, já Camões o entoava
A natureza é que não se mostra tão dada a mudanças. Quem sabe a preservação da espécie resida nisso.
________________________________
«Ainda faltam muitos avanços a nível de visibilidade.»
Ai faltam? Bom remédio: não sejam tão discretos...

sábado, 18 de junho de 2016

Carneiro, cão do dono

O Diário de Notícias de quarta-feira passada, 15, traz duas "cartas dos leitores". Uma é do «Porta-voz da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa» reagindo às, cito, «considerações sobre o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Dr. Pedro Santana Lopes» expendidas pelo vereador dos Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, João Afonso, na entrevista publicada na véspera.
Revi a entrevista. Quase no fim, a jornalista Valentina Marcelino pergunta ao arquitecto João Afonso, eleito pelo Movimento dos Cidadãos por Lisboa: 
- Preocupa-vos a possibilidade de Santana Lopes ser candidato e poder voltar à Câmara de Lisboa?
João Afonso- Se os lisboetas pensarem o que foi o mandato de Pedro Santana Lopes e o estado em que deixou a câmara, no que diz respeito ao endividamento, com certeza não o vão querer de volta. E que obras fez? Um túnel que serve essencialmente para pessoas que vêm de fora de Lisboa e piscinas que não estavam a funcionar e que foi o António Costa que teve de pagar as contas para as abrir. Essas foram as obras do Santana Lopes. Acabou. Não há mais nada. Do ponto de vista social não vejo também resultados do seu mandato e, do ponto de vista da gestão, a imagem da câmara estava completamente debilitada. Sinceramente, acho que já passou o seu tempo. Foi presidente de câmara, foi primeiro-ministro, mas já passou o seu tempo. As coisas não voltam para trás...

Essa, a única passagem em que se fala de Pedro Santana Lopes, possível próximo candidato à câmara de Lisboa e antigo presidente dela. Não há na conversa nenhuma alusão directa ou indirecta à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa ou quaisquer «considerações sobre o provedor».
O autor da carta entendeu importante esclarecer que não lhe «compete o papel de analista político ou de defensor oficioso do senhor provedor». Nesse caso, porque vem o leitor do DN, António Carneiro Jacinto*, inundar o jornal, na condição de «Porta-voz da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa», com a aluvião diluviana das magníficas benfeitorias à cidade de um dos políticos mais medíocres, vaidosos, videirinhos e sobrestimados de Portugal?

Mais vale ser um cão raivoso
__________________________________________
* Ler é acrescentar sempre qualquer coisa à ignorância. Talvez por isso, tendo nascido burro e sabendo cada vez menos, precise de ler tudo para não morrer com a ilusão de saber alguma coisa certa. Paciente leitor, ora leia por exemplo isto. Ou isto.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Acordo Ortográfico [111]

«[…]
Ainda estou para perceber as vantagens económicas da fonética sobre a filiação morfológica.
[…]
Creio que a Via continua a ser Láctea, mas compramos laticínios. Mas que lata! E os egípcios ficaram apátridas no Egito.
Científico, isto? Lembro apenas que no carácter do cientista está a dúvida e a admissão do erro.
[…]
Seus preguiçosos! Dá-lhes jeito pensarem que somos todos criancinhas.
[…]»

Sabedoria e eloquência

O doutor António Vitorino, do PS, é muito inteligente, muito esperto, muito bem sucedido, muito bem-falante.
Acerca dos contratos de associação com colégios privados:
Acerca da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos:
SIC Notícias, 07.Jun.2016. 

Já o doutor António Costa, ao invés, igualmente: 
21.º congresso do PS
_______________________________________
Ranço

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Suspeito

«Tínhamos um agente na discoteca Pulse, devidamente fardado. Por volta das 02h00 respondeu a tiros e envolveu-se no tiroteio com o SUSPEITO perto de uma das entradas. Pouco depois, chegaram mais agentes que entraram, enquanto o SUSPEITO disparava, e dispararam por seu turno contra o SUSPEITO que parou de disparar e se refugiou na casa de banho onde fez vários reféns. Nesse momento, pudemos salvar e resgatar dezenas e dezenas de pessoas, feridas e não feridas, retirando-as da discoteca. As coisas estabilizaram. Com base em declarações do SUSPEITO referindo-se a explosivos e a um possível colete explosivo, isolámos a área, chamámos a swat* e preparámo-nos para provocar uma pequena explosão na parede da casa de banho onde estavam cerca de 15 pessoas, casa de banho oposta àquela onde estava o SUSPEITO e os reféns. Com base em declarações do SUSPEITO e informações que recebemos do SUSPEITO e dos reféns e de pessoas que estavam lá dentro, concluímos que estava iminente mais perda de vidas, e eu decidi iniciar a operação de resgate e provocar a explosão. Como a explosão não penetrou completamente na parede, usámos um veículo blindado para fazer um buraco na parede a cerca de 60 centímetros de altura, com 40 a 60 centímetros de largura. E assim pudemos resgatar dezenas e dezenas de pessoas através desse buraco. O próprio SUSPEITO saiu por esse buraco com uma pistola e uma espingarda e disparou contra a polícia, acabando por ser morto.»
________________________________________
* Special Weapons And Tactics [brigada de operações especiais].

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Marcelo por Vasco

«[...]
primeiro, não é um chefe, segundo não manda no Estado.
[...]
fala de tudo mas diz lugares-comuns sobre tudo, incluindo coisas que não sabe.
[...]»

quarta-feira, 1 de junho de 2016

O ódio dos animalistas

«[…]
A resposta da animalista fala por si: Mas você prende a sua filha com uma trela?
Como é que se argumenta com estas Estalines do proletariado de quatro patas?
Durante muitos anos, o animalismo não foi levado a sério, era assunto piadético. Julgo que a piada já passou. Se isto continua assim, uma minoria radical de humanos pouco sencientes em relação ao resto da humanidade continuará a impor um modo de vida que tem como meta final o vegetarianismo.
[…]»

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Capital humano, colaboradores e outras indecências

no capital humano está o ponto de diferenciação ... as pessoas são um forte pilardireitos dos colaboradoresinveste-se nas necessidades emocionais dos clientesas pessoas são o nosso bem mais preciosoa solução está nas pessoas …, pensando eu que estivesse no interruptor. Tanto desvelo deixa-me comovido. Quando for grande também quero trabalhar num contact centre.
Por outro lado, o bom nome do sector [sic; «sector» salvo pela mixórdia da dupla grafia] a par dos nomes malparidos da atividade, do fator, da interação, da atuação, da ativação, da otimização.


A propósito do texto da doutora Carla Rupio Marques, da Randstad, num dossiê especial do Expresso de 21.Mai.2016.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Acordo Ortográfico [110]

«[…]
o debate sobre o AO90 nunca foi aberto, por isso é um erro mencionar-se uma reabertura. Aquilo que houve foi uma imposição. Aliás, a consequência imediata da escassez de sessões de esclarecimento e da abundância de propaganda é uma maior permeabilidade de leitores de português europeu em relação a opiniões, digamos, peculiares.
[…]
Como é sabido, a Assembleia da República não tem percebido — ou não tem querido perceber: nesta matéria, como noutras, a doutrina diverge — as provas apresentadas sobre a supremacia dos defeitos do AO90 em relação às suas hipotéticas virtudes e as gritantes diferenças entre a quimera de um acordo ortográfico em abstracto e o desastre AO90 em concreto. Aliás, os actos e omissões deste órgão de soberania em relação a esta matéria podem ser apresentados como um excelente exemplo de assimetria entre a vontade do eleitor e a atitude do eleito.
[…]»

- x -

«[…]
tudo isto em nome de quê? De uma alegada unidade internacional do português — que não existe, não passou a existir e, naturalmente, nunca existirá com o rigor burocrático que alguns lhe querem emprestar à força.
[…]
Chegados aqui, ao ridículo de Portugal ter tornado obrigatória uma ortografia que mais ninguém desse continente imaginário chamado Lusofonia aplica ou leva a sério, com um Presidente da República a ter o bom-senso de prever a "reabertura" de um debate que não houve, os defensores do AO, enretanto mais afónicos, jogam outra cartada: as criancinhas. Depois de tudo, que não se lhes perdoe agora invocarem o nome das criancinhas em vão.» 

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Encoberto no cenário

Lembram-se disto
Era a campanha para as legislativas de 04.Out.2015 em que António Costa haveria de ser humilhantemente derrotado.
Nessa altura, em 30.Ago.2015, Maria Filomena Mónica [MFM] dera uma extensa e sumarenta entrevista ao jornal i. *
i- Falou de Passos Coelho e de Sócrates. De Seguro diz que era um totó. E António Costa?
MFM- Está a fazer uma campanha desastrosa. Nunca leio programas, não preciso, prefiro que me digam nos jornais ou na televisão como é que eles vêem o mundo. E não vejo uma visão muito diferente, no caso do António Costa, da visão do Passos Coelho. O que acontece é que, no meio da crise, o que eles têm é de gerir. Mesmo assim, o António Costa deveria dizer ao seu eleitorado socialista o que o preocupa genuinamente e o que vai fazer. Não é dizer ‘vou criar não sei quantos postos de trabalho’, depois afinal já não é criar, é uma estimativa. Isto são coisas pequeninas que fazem as pessoas desconfiar. A cena dos cartazes em si até nem tem uma grande importância, suponho que em todos os países se arranjem cartazes lá na instagram ou como se chama.
i- Nos bancos de imagens.
MFM- Isso. Simplesmente aquelas eram particularmente infelizes porque diziam ‘Eu sou desempregada’. E depois aquilo ficou assim tudo numa névoa, num pântano. E agora ele aparece no cartaz cor-de-rosa! Não percebo o que lhes passou pela cabeça para fazerem aquele cartaz! Não acredito que o António Costa tenha a menor vergonha em assumir que tem sangue indiano, até porque ele tem orgulho no pai. Fazem-no branco para quê? E os jornais não falam nisso porquê? Porque têm medo de serem apelidados de racistas? Não tem explicação! Não me tem atraído, não me convenceu ainda a votar nele.
i- Nem noutros candidatos?
MFM- Não, na direita não voto, nunca!
[Links e negritos meus]

Estava ontem à tarde a zapar na tv — Camões, grande Camões …  —, eis que se me depara o Primeiro-Ministro; mas confesso que só o vi depois de ter reparado na porta.
Foi aí que me acudiu à lembrança uma definição que trago decorada desde os primeiros tempos de liceu:
Mimetismo - «Fenómeno de imitação que se observa em certas espécies animais que tomam a aparência do meio em que se encontram.»

______________________________________
* Conversa inteira:

segunda-feira, 16 de maio de 2016

AmesTerDão – Frivolidade sem túlipas

José Rentes de Carvalho vive há 60 anos em Amesterdão. Sabe do que fala:
«irrita-me a forma portuguesa Amesterdão, que, embora oficial e antiga, é totalmente pacóvia; Amsterdam, originalmente Amsteldam, significa o dique, dam, do rio Amstel.»

Fique, pois, por conta da pacovice a singular e rara reunião numa só cidade, holandesa, de três formas portuguesas de três poderosos verbos:
- de amar, a segunda pessoa do singular do presente do conjuntivo;
- de ter, o infinito impessoal;
- de dar, a terceira pessoa do plural do presente do indicativo.

Sem mudar de terra, mudemos de língua.
«[…]
Puis se lèvent en riant
Dans un bruit de tempête
Referment leur braguette
Et sortent en rotant
[…]
Et quand ils ont bien bu
Se plantent le nez au ciel
Se mouchent dans les étoiles
Et ils pissent comme je pleure
Sur les femmes infidèles
Dans le port d'Amsterdam
Dans le port d'Amsterdam.» *
____________________________________________

sábado, 14 de maio de 2016

Acordo Ortográfico [109]

«[…]
O Acordo entrou em vigor por força da lei, em obediência a uma construção ideológica chamada lusofonia, mas não por força da aceitação pelos cidadãos e da aprovação pelas instâncias de carácter científico. Na história da nossa democracia, não há procedimento tão absurdo e tão próprio de um poder totalitário como este. Assistimos desde o início a manobras visando calar toda a contestação
[…]
Os erros induzidos pelo Acordo são legião
[…]
Quem é que pode confiar num sistema ortográfico que é uma verdadeira máquina de produzir excepções? Que espécie de Acordo é este que, visando a unificação da ortografia, cria grafias duplas e até múltiplas? A demonstração mais eloquente de que se trata de uma aberração está nos próprios documentos oficiais e nas publicações da imprensa que adoptaram o AO90.
[…]» 

- x -

«[…]
Se tivermos presentes os inúmeros exemplos da aberração, mais do que documentada, do Acordo Ortográfico, estas rápidas considerações que fiz deviam bastar para se ter consciência da monstruosidade que foi fabricada, decidida e tão célere e surdamente imposta.
[…]»
Guilherme Valente, "A negligência na língua e na escrita é princípio da decadência dum país" | Público, 13.Mai.2016

- x -

«[…]
O desastre do acordo ortográfico de 1990, com todas as suas incongruências e antagonismos, ao que parece, não terá sido suficiente para deplorar e atalhar ao erro de perspectiva dos linguistas da tribo do Sr. Casteleiro. O ventríloquo tem na mão os seus bonecos. O mesmo que diz aceitar correcções “ao conteúdo” somente após ratificação do AO. É uma pena que, para não variar, se persista no erro (e na chantagem), evitando admiti-lo. Mas pode ser que a arrogância saia cara ao país.
[…]
Acredito num ensino que, como alguém disse, seja um regresso à cultura e, portanto, seja um regresso à dignidade da língua, já que a estupidez, a incultura e a arrogância não são limitadas. Se o repúdio deste acordo é uma questão de ir à boleia dos palpites do Sr. Presidente da República, que não se hesite em levantar o polegar.»

Martín Caparrós andou a falar com quem passa fome

Esta manhã, ainda na cama, li a conversa de Paulo Moura com Martín Caparrós, escritor e jornalista argentino, no Público de ontem, a propósito de "A Fome" - Temas e Debates, Março de 2016.

Os mais de mil milhões que pertencem a um mundo «muito mais surdo, subterrâneo, que não se vê, e de que é muito mais difícil falar. [...] Não têm qualquer função, são lixo.»
«somos todos culpados»
O preço das t-shirts baratas
O caso do Níger
«não encontrei famintos ateus. O ateísmo é um luxo das sociedades satisfeitas.»
A mulher que tinha uma vaca
«Essa forma de futuro que era o socialismo leninista fracassou.»
A panaceia do discurso ecologista
«Sou um optimista confuso. [...] Comecei a pensar: quero contar isto. Acho que a forma mais fértil de encarar um assunto é fazê-lo em termos globais. Mas não há muito quem o faça em língua castelhana. Preferem-se os temas locais ou nacionais. Eu quis mostrar que nós, em castelhano, também podemos falar sobre o mundo. Porque só os anglo-saxónicos o podem fazer? Porque o mundo é deles, e nós somos da nossa aldeia?»

Não me soube bem.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Acordo Ortográfico [108]



Com valente surra em Jorge Bacelar Gouveia, autor da crónica "Rejeitar o Acordo Ortográfico?", no DN de quinta-feira passada,
«um chorrilho de asneiras filhas da ignorância, de falsas verdades, de banalidades argumentativas e de uma arrogância intelectual, expoente de um certo terrorismo académico que tolhe e verga os políticos às suas ameaças.»

«Limbo por limbo, mais vale corrigir o mais depressa possível aquele que é de centenas de milhares, em vez de forçar o de milhões.»

«Há praticamente 10 anos este jornal adotou o Acordo.»





«[...] questão linguística. E educativa, já agora. […] está instalado um caos ortográfico […] não seria a primeira vez em que imperaria o bom senso e se recuaria em questões estruturais. Será complicado, mas é complicadíssimo continuar tudo como está. […] A questão é o mal que esta ortografia causa às pessoas que são obrigadas a usá-la. Os alunos do ensino básico e secundário e os professores são obrigados a usar, não podem escolher. O que o professor Malaca Casteleiro está a dizer é que há uns privilegiados que podem escolher e outros que são obrigados a usar a ortografia que o professor Malaca Casteleiro quis impor ao espaço lusófono. […]»
_____________________________________
* Apensos 145 nomes de portugueses vivos — sim, incluindo Agustina Bessa-Luís —, presumíveis abencerragens
Sorte grande, a do senhor professor doutor mestre constitucionalista sportinguista, em o p não ser sempre mudo; senão há muito que teria implodido derivado aos gases cativos dos facundos eidos que dá a ronunciar-se sobre a ortografia do ortuguês.